sábado, 18 de junho de 2011

Dúvida, Dívida, Dádiva.

Se você não tem o hábito, crie.

Poesia se lê com hábito,
Não tenha dúvida.

Não aumente essa dívida consigo.
Saber ler uma poesia é uma dádiva.



Inspirado no livro de Edilamar Galvão - Dúvida, Dívida, Dádiva. São Paulo: Ed. do Autor, 2009.


sexta-feira, 17 de junho de 2011

Castigo de um anjo

Depois da benção o pecado se vai
E eu me fui.

O pecador, o tentador, o maquiavélico inconseqüente
Exorcizado depois da benção.
Mas qual foi o mal, deste anjo caído?
Foi cair.

Bateu meu coração, ferveu o meu sangue, explodi.
Vi o seu regresso depois da minha morte
Foram anos vagando sem a sua luz até descobrir o seu sorriso.
Era o mesmo, que me fez ressuscitar e acreditar que nunca tinha morrido.


Então ganhei asas
Cantei ao amanhecer
E ao lhe deixar para reencontrar logo ali
Logo depois.

Esqueci que era apenas um anjo
E caído fui expulso, expurgado
Diluído pela água benta.

O pecador, tentador, o maquiavélico inconseqüente
Exorcizado depois da benção.
E meu único mal
Foi amar você.